Segunda, Junho 27, 2022
Follow Us
A COLHEITA - Léia Porto

“Contarás sete semanas. A partir do momento em que lançares a foice no Ômer, nas espigas, começarás a contar sete semanas. Celebrarás então a festa de Shavuót, das Semanas, em honra de Yahweh, teu Deus. A oferta espontânea que tua mão fizer deverá ser proporcional ao modo como o SENHOR, o teu Deus, te houver abençoado. E te alegrarás na presença de Yahweh, teu Deus: tu, teu filho e tua filha, teu servo e tua serva, o levita que vive em tua cidade, e o estrangeiro, o órfão e a viúva que igualmente vivem no meio de ti; todos no lugar que o próprio Yahweh, teu Deus, houver designado para aí fazer assentar seu santo Nome. Lembra que foste escravo e peregrino no Egito e cuida de obedecer fielmente a todos estes decretos.” Deuteronômio 16:9-12

SHAVUOT significa “semanas” - é a segunda das três festas de peregrinação a Jerusalém, local escolhido por Deus; sendo os judeus convocados a honrar ao Senhor, a fim de que recebessem bênçãos sobre a colheita e sobre todas as obras de suas mãos, e também para celebrarem a entrega da Torah, que são os mandamentos do Senhor entregues no Monte Sinai, em 6 de sivan.

Então, segundo o texto, quando os trabalhadores lançavam a foice no Ômer (unidade de medida dos grãos), iniciava a contagem das semanas, totalizando 7 semanas. Dessa forma, a oferta espontânea era oferecida a Deus.

A colheita em si, apresenta alguns estágios, tendo em vista que o Senhor nosso Deus nos vê como agricultores, ou seja, trabalhadores da colheita. E será nessa margem que ocorrerá nossa narrativa, OS TRABALHADORES DA COLHEITA.

Digo que, quando os discípulos de Jesus foram ordenados por ele a ficarem em Jerusalém, eles deveriam aguardar a promessa do Pai e serem batizados pelo Espírito Santo. Então, desta forma, eles estariam aptos para iniciarem o trabalho. Atos 1:4-5.

Com o ocorrido no Dia de Pentecoste, e após o recebimento do Espírito Santo, os discípulos de Jesus ficaram cheios de sua virtude e dons, ministrando com autoridade o testemunho de Jesus.

Cumpre salientar que, Jesus selecionou pessoas simples e pessoas dispostas a seguilo - pessoas que deixaram seus trabalhos e moradias para realizarem o trabalho de colheita de almas. E para este trabalho, um discípulo deveria dispor de um coração amoroso, que se importa com almas, e principalmente que ame a Deus.

Neste trabalho de colheita, não pode haver idolatria a alguém que recebeu unção do Espírito Santo, ou alguém depois de ter recebido unção não pode ser visto como o “Grandão do Avivamento”. Lembrem-se que só Deus é GRANDE.

Bem, esclarecido isso, vamos às coordenadas deixadas por Jesus em Lucas 10:

  • O Senhor nomeou discípulos e os enviou de dois em dois, a todas as cidades
    que Ele estava prestes a visitar;
  • Ele nos orienta a rogar a Deus para que envie mais obreiros para fazerem a colheita;
  • Jesus nos envia como cordeiros para o meio de lobos (inimigos) - a jornada não será fácil, sendo necessário nos munirmos com as armas espirituais.
  • Jesus nos orienta a sermos prudentes, não levando objetos no trajeto.
  • E quando ao entrardes numa casa, dizei em primeiro lugar: “PAZ seja para esta casa.” Permanecendo na mesma casa.
  • E quando ao entrardes numa cidade e ali fordes bem recebidos, alimentaivos do que for colocado diante de vós.
  • Curai os doentes que houver na cidade e proclamai-lhes: o Reino de Deus está à vossa disposição!
  • No entanto, quando entrardes numa cidade e não fordes bem recebidos, até a poeira da cidade que se apegou às sandálias, sacudam contra vós outros.
  • Lembrando que haverá mais tolerância para Sodoma do que para esta cidade.

O Senhor Jesus nos faz saber que qualquer pessoa que nos der ouvidos, a Ele estará dando ouvidos; mas aquele que nos rejeitar, estará rejeitando a Ele mesmo, e quem o rejeita, rejeita a Deus. Pois uma vez que o trabalhador da colheita recebeu o Espírito Santo, ele foi capacitado para a obra, é mister que pregue.

Juntando às informações registradas em Lucas 10, vou expor alguns aspectos ou estágios sobre a colheita.

  1. Área plantada
  2. Tempo
  3. Qualidade do grão
  4. Controle preventivo de insetos
  5. Colheita

No estágio 1 “Área plantada”, diz respeito à preparação do terreno para que se ocorra o plantio. O terreno é o coração da pessoa para a aceitação da palavra. Um coração contrito ou que tenha passado por situações difíceis está mais apto a clamar por um salvador. Por outro lado, a área plantada também nos aponta a região onde a palavra do Senhor será proclamada.

No estágio 2 “Tempo”, o Senhor nos designará conforme número de dias ou meses em determinado lugar, devemos estar sensíveis à voz do Espírito Santo. No estágio 3 “Qualidade do grão”, se refere ao tratamento direto à pessoa, no quesito cura de enfermidades, aceitação do Reino de Deus, arrependimento.

No estágio 4 “Controle preventivo de insetos” está no mostrando a preparação da alma para que não haja brechas que dê legalidade ao mal, ou diretamente nos fala sobre “expulsar demônios”. Quando a alma está obediente ao Senhor e cumpre suas leis, estará protegida contra as ciladas do maligno.

“Aquele que vive na habitação do Altíssimo e descansa à sombra do Todo-Poderoso desfrutará sempre da sua proteção.” Salmos 91:1

Por fim, no estágio 5, a alma que recebeu a palavra, que foi tratada e se manteve firme, obedecendo ao Senhor estará apta para a “Colheita”.

No entanto, há alguns fatores que podem gerar perda na colheita; desta forma, devemos estar conscientes e atentos para que consigamos um maior número de almas para o nosso Senhor.

Fatores:

1. Solo mal preparado – é quando a pessoa não está pronta para receber a palavra. Em Mateus 13, Jesus nos fala sobre as sementes que foram lançadas à beira do caminho e que as aves devoraram; se referindo a uma pessoa que recebeu a palavra mas que não a compreendeu (por isso a pregação dever ser clara e objetiva). Há também as sementes que foram lançadas em terreno rochoso (duro) e que não criou raiz, e quando por causa da Palavra chegaram os problemas e as perseguições, logo perde-se o ânimo. Enquanto que as sementes que foram lançadas entre os espinhos, ao ouvir a Palavra, as preocupações da vida e a sedução pelas riquezas, sufocam a mensagem, tornando-a infrutífera.

2. Cultivares não adaptados às regiões – é quando as sementes ou a Palavra não deve ser lançada em qualquer região ou aos porcos. “Não deis o que é sagrado aos cães, nem jogueis aos porcos as vossas pérolas, para que não as pisoteiem e, voltando-se, vos façam em pedaços.” Mateus 7:6
O Senhor nos enviará a quem será pregado, não devemos por nós mesmos escolher regiões e ou pessoas.

3. Erva daninha – a erva daninha é o joio, que está misturado ao trigo, que é uma tentativa do mal para confundir e atrapalhar a obra de Deus.

4. Umidade inadequada – é a ausência de água na pessoa que recebeu a palavra, ela não foi regada pelo Espírito Santo para que se mantivesse no temor do Senhor. A baixa umidade prejudica o corpo e a alma.

Em relação à diversidade dos dons e ações a realizar, o Senhor nos diz:

“Curai os enfermos, limpai os leprosos, ressuscitai os mortos, expulsai os demônios; de graça recebestes, de graça dai.” Mateus 10:8

Nesse contexto, entendemos que todas as obras seriam realizadas pelos discípulos; no entanto, no livro de I Coríntios 12 está escrito que há diversidade de dons e ministério, porém o Espírito é o mesmo operando em todos, e em diferentes tipos de atuação, com a finalidade de que muitos sejam beneficiados e que haja dedicação uns com os outros em unidade, como um corpo.

Dons distribuídos:

  • Palavra de sabedoria;
  • Palavra do conhecimento;
  • Fé;
  • Cura;
  • Operar milagres;
  • Profecia;
  • Discernimento de espíritos;
  • Variedade línguas;
  • Interpretação de línguas;
  • Amor.

Ministério distribuído

  • Apóstolos
  • Profetas
  • Mestres

Da condição do trabalhador da Colheita

“Esta é uma palavra fiel: Se alguém deseja o episcopado, excelente obra deseja. Convém, pois, que o bispo seja irrepreensível, marido de uma mulher, vigilante, sóbrio, honesto, hospitaleiro, apto para ensinar; não dado ao vinho, não espancador, não cobiçoso de torpe ganância, mas moderado, não contencioso, não avarento; que governe bem a sua própria casa, tendo seus filhos em sujeição, com toda a modéstia (porque, se alguém não sabe governar a sua própria casa, terá cuidado da igreja de Deus?); não neófito, para que, ensoberbecendo-se, não caia na condenação do diabo. Convém, também, que tenha bom testemunho dos que estão de fora, para que não caia em afronta e no laço do diabo.” 1 Timóteo 3:1-7

Irmãos, todas essas questões estão inclusas na vida de um trabalhador da colheita e são essenciais para a lavoura, lembrando que um trabalhador será julgado conforme sua obra; no entanto, frisa-se que há galardão para o trabalho na obra do Senhor. Estejamos cientes de que o OBJETIVO da Colheita é angariar almas para o nosso mestre.

“Como, pois, invocarão aquele em quem não creram? E como crerão naquele de quem não ouviram falar? E como ouvirão, se não houver quem pregue? E como pregarão, se não forem enviados? Como está escrito: “Como são belos os pés dos que anunciam boas-novas!” Romanos 10:14-15

Que a graça do nosso Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a comunhão do Espírito Santo sejam com todos vocês!

-


Baixe aqui em PDF


Log in or Sign up